Poema Coletivo (RATOS di Versos) - Rio das Ostras - 13/07/07 / Bar da Regina

Rios poéticos
o cheiro do gosto marinho
a ostra se abre libertando os RATOS
dos sapatos cansados de andar por ruas estreitas

Vidas espreitas
desvios e falas
o frio no osso
o bafo do cão no pescoço
o bafo de rato
campaixão
de Carluxo

O mistério do esgoto,
pra livrarmos do bafo,
batemos no quarto 108.
No 201 a gente batre pra fazer festinha,
acende a lareira e jah é...

Se falar é simples
a mostra da voz
se torna intrínseca
e nós
sem rima ou simétrica
nos tornamos
concretamente obsoletos.

Obscenidades rápidas
de um dia de sol

RATOS no Rio das Ostrar
falam poesia
usam a fantasia
com cuidado.
Perambulam entre
as Ostras
à procura de
Pérolas.

Um comentário:

Cris Ebecken disse...

Pérolas Poéticas... Madre Pérolas.